Compromisso socioambiental do Psicodália é se tornar referência de Ecoevento no Brasil

Cercada de belezas naturais, em meio à mata nativa da Serra Catarinense, a encantadora cidade de Rio Rufino/SC, receberá a 21ª edição do Psicodália. Um dos grandes festivais alternativos do Brasil, será realizado durante o Carnaval de 2024, de 9 a 14 de fevereiro, com um olhar criterioso para a preservação do meio ambiente. Por ter uma política de separação eficiente, anualmente, o evento evita o envio de 70% de resíduos aos aterros sanitários.

Carinhosamente chamado de Biodália, o setor de Sustentabilidade do Psicodália, atua para tornar evento referência no assunto. O objetivo é conscientizar os participantes, especialmente sobre o cuidado com os recursos naturais da fazenda que irá abrigar o evento. O local conta com mais de 500mil m2 de área verde, com cerca de 70% de mata nativa preservada, rios cristalinos, paredões, mirantes, lagoas e cachoeira.

O Psicodália pode ser comparado a uma pequena cidade temporária, no que se refere às demandas de energia elétrica, água, insumos, limpeza, manutenção e geração de resíduos sólidos. “Além de conviver com muita arte e música, durante os dias de evento as pessoas irão consumir alimentos e bebidas, utilizar banheiros, chuveiros e conviver. Precisaremos muito da colaboração de todos”, analisa Jessica Pertile, coordenadora de meio ambiente do festival, bióloga e especialista em gestão ambiental.

O processo de educação ambiental desenvolvido com o público faz com que o espaço permaneça limpo e organizado, durante e após o evento. “O apoio do público e dos funcionários será essencial para que haja a separação correta do lixo e o uso adequado dos serviços disponíveis. Para isso, trabalhamos a comunicação pessoal e visual durante o evento”, complementa o engenheiro agrônomo, Alessander Von Wagner Fagundes.

Assim como cuida da natureza, o festival zela pelas pessoas. Monitores irão atuar exclusivamente dedicados no contato direto com o público, promovendo um rico debate de educação ambiental que, para além da gestão do espaço do festival, as pessoas possam levar essa “ideia” para o cotidiano.

O festival terá

Saneamento ecológico, sem água, como uma das principais formas de evitar a poluição das águas. Assim como destinação correta dos resíduos recicláveis.

Focado na sustentabilidade, irá garantir que parte dos fornecedores de insumos e a contratação temporária de mão de obra sejam feitos na cidade de Rio Rufino ou arredores. Desta forma, será possível reduzir a logística de grandes distâncias e fomentar a economia local.

Algumas instituições do setor público e privado também contribuíram para o propósito. As lixeiras do festival foram 100% doadas por uma empresa privada, em apoio ao projeto ambiental. Pesquisadores de algumas universidades têm dado suporte em diversas questões, principalmente relacionadas ao manejo de águas e destinação correta dos dejetos e águas cinzas, assim como na sistematização dos resultados em busca de validação científica de das ações.

Na prática

Apoio à comunidade e economia local

·         Preferência por serviços e produtos locais;

·         Contratação temporária de mão de obra.

Redução de emissão de carbono

·         Incentivo à excursões e caronas solidárias;

·         Transporte coletivo para funcionários e voluntários;

·         Plantio de árvores nativas;

·         Compra de insumos e alimentos da região;

·         Opções variadas de alimentação vegetariana e vegana.

Conservação da água

·         Uso e tratamento de banheiros secos com acompanhamento técnico científico pela UFSC;

·         Monitoramento da qualidade da água captada;

·         Água refil para consumo;

·         Sistema de tratamento de águas cinzas com acompanhamento técnico científico pela UDESC.

Gestão de resíduos sólidos

·         Separação em três frações: orgânicos, recicláveis e rejeitos;

·         Ponto de Entrega Voluntária de Resíduos – PEV;

·         Compostagem pelo método UFSC;

·         Festival rumo ao Lixo Zero.

Redução de resíduos

·         Alimentação com utensílios duráveis ou compostáveis;

·         Uso exclusivo de copos reutilizáveis;

·         Proibida entrada de garrafas de vidro long neck;

·         Central de doação de alimentos;

·         Recolhimento de lonas usadas para doação a entidades;

·         Preferência pelo chopp direto no copo reutilizável às latas.

Proteção do meio ambiente

·         Áreas de preservação permanente demarcadas e de uso restrito;

·         Oficinas de sustentabilidade;

·         Trilha guiada até a cachoeira.

Educação e comunicação ambiental

·         Online e para artistas, colaboradores, voluntários e fornecedores;

·         Equipe de monitoria ambiental capacitada nas áreas de engenharia sanitária, agronomia, biologia, entre outros;

·         Lixeiras devidamente sinalizadas;·         Estrutura de bituqueiras pelo festival.

Picture of Taísa Rodrigues

Taísa Rodrigues

Sou jornalista e assessora de comunicação, com foco na construção de marcas vivas. Com trajetória profissional de quase 20 anos na área de comunicação, possuo vasta experiência na área e já atuei em diversas frentes como redação de jornal e TV, rádio, revista, site, redes, empresas e assessorias para os principais festivais e eventos de SC e Brasil.

Deixe seu comentário

Sobre a Ale Lobo

Alessandra Vieira Lobo é colunista na Revista DUO e Digital Influencer. Assinou diariamente a Coluna Persona, no Jornal Notícias do Dia, de julho de 2009 até dezembro de 2016, foi apresentadora do Programa Espaço News Norte, na Record News.

Posts Recentes

Envie sua mensagem

ou envie um email para

Cadastro realizado com sucesso.

Enviaremos as novas publicações em seu email.

Mensagem enviada com sucesso.

Retornaremos o mais breve possível.