Semana Mundial do Glaucoma alerta para a gravidade da doença

Pesquisa “Um olhar para o glaucoma no Brasil”, divulgada pelo Ibope Inteligência no segundo semestre de 2020, mostra que quatro em cada dez brasileiros não sabem o que é glaucoma. Entre os jovens (18 a 24 anos) 53% desconhecem a doença e o índice chega a 71% entre adultos com mais de 55 anos. Esses são números preocupantes, já que a patologia é considerada a principal causa de cegueira irreversível no mundo e deve afetar 111,8 milhões de pessoas em 2040. Para alertar e prevenir a população para o problema, até o dia 12/3 é realizada a Semana Mundial do Glaucoma. “O glaucoma é uma doença degenerativa e progressiva que danifica as células que formam o nervo óptico e não tem cura, mas pode ser controlada. Quanto antes diagnosticada, melhor para evitar qualquer perda visual”, afirma o Dr. Ricardo Suzuki, Glaucomatólogo do Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem, uma empresa do Grupo Opty.

Dr. Ricardo Suzuki, Glaucomatólogo do Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 900 mil brasileiros são afetados pelo glaucoma. A doença é mais comum após os 40 anos de idade e tem como principal fator de risco o aumento da pressão intraocular (dentro dos olhos).  Porém, essa não é a única causa. Devem ser considerados também histórico familiar, idade avançada, miopia elevada e eventualmente até a diabetes.

Conforme destaca o Dr. Suzuki, grande parte dos pacientes não têm sintomas logo que o glaucoma se instala. A perda do campo visual somente é percebida em estado moderado, quando entre 40% e 50% do nervo óptico já deve estar comprometido. “Sendo assim, é fundamental fazer exames oftalmológicos regularmente, principalmente com medição da pressão intraocular e exame do fundo de olho, e eventualmente, campo visual para o diagnóstico precoce do glaucoma”, ressalta o oftalmologista.

Desde o início da pandemia, o Grupo Opty tem trabalhado para trazer segurança a clientes e pacientes, implementando rígidos procedimentos em ambientes que já são, habitualmente, geridos por boas práticas recomendadas por órgãos de saúde confiáveis nacional e internacionalmente. O Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem também passou por auditorias realizadas pelo Hospital Israelita Albert Einstein – referência de qualidade na área de saúde e de pesquisa e combate à Covid-19 – e é a primeira instituição do SC a receber o selo Einstein Padrão de Qualidade e Segurança Covid-19. Desta maneira, o Hospital Sadalla, além de ter os melhores profissionais da área e um dos melhores parques tecnológicos do Brasil, agora também possui a chancela de que segue absolutamente os mais exigentes e rigorosos critérios de prevenção, o que garante maior proteção a todos – pacientes e corpo técnico – que circulam dentro de suas instalações hospitalares.